47 anos de “Doctor Who”

Dia 23 de novembro de 1963, ‘’Doctor Who’’ estreiou na BBC  com o episódio “An Unearthly Child”. Hoje a série completa 47 anos,  cada vez mais popular, e com um legado invejável.

Em 2013, quando a série completará o seus cinqüenta anos, a data cairá num sábado e segundo Steven Moffat os planos já começaram para um grande especial na data. Vale lembrar que quando saiu da série, David Tennant, sempre que era perguntado se voltaria a viver o Doutor, respondia que provavelmente deixaria o novo time se estabelecer, mas que gostaria de voltar para a celebração desse aniversário.

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

Nos acompanhe e curta nosso conteúdo!

Este post tem 9 comentários

  1. 47 anos e só fui descobrir agora em 2010, what a shame.

    “Em 2013, quando a série completará o seus cinqüenta anos, a data cairá num sábado e segundo Steven Moffat os planos já começaram para um grande especial na data. Vale lembrar que quando saiu da série, David Tennant, sempre que era perguntado se voltaria a série, respondia que provavelmente deixaria o novo time se estabelecer, mas que gostaria de voltar para a celebração desse aniversário.” Preciso dizer que infartei forever, com isso? *_*

  2. Se o mundo não acabar em Dezembro de 2012. Vai ser uma super hiper mega baguá de animada essa festa!!!!!

    1. Sim! Por isso não tem o 11.

  3. isso é sacanagem! agora vou ter que esperar anos por isso! 🙁
    hahahaha

    P.S.: Faltou doutor ai =(

  4. Pô, só 2013? Saco, 2012 vem antes… Alguém tem uma TARDIS pr’eu ir ver esse especial antes de morrer?

  5. Pois é, 47 anos e o que eu nunca pude entender é porque as emissoras de TV brasileiras, tanto as abertas quanto as por assinatura, teimam em ignorar esse grande ícone da cultura inglesa, ao lado dos Beatles, de Sherlock Holmes e de 007. O que passa de vez em quando é o primeiro filme feito para o cinema, que os puristas não consideram na cronologia da personagem, da mesma forma que o primeiro Cassino Royalle (com o David Niven) não é considerada na de James Bond. Nem a BBC da TV a cabo passa Dr Who ou os spinoffs, o que obriga os fãs brasileiros a “piratear” os episódios, já que nem para vender as temporadas atuais (o que dirá as antigas!) estão disponíveis nas lojas.
    É pena. Comecei a acompanhar o “novo” Dr Who (com o Christopher Eccleston), pois só havia assistido ao filme (quando ainda era moleque e estreou nos cinemas), e comecei a acompanhar a série clássica por meio deste site, já que tinha acesso aos episódios via Torrent mas não falo fluentemente o Inglês, e como não havia legendas em lugar algum, privei-me desse prazer até vocês postarem o arco An Unearthly Child.
    Tudo bem que nem todo mundo gosta dos episódios em preto e branco e com argumentos um tanto ingênuos, “defeitos” especiais e ritmo sonolento, mas são clássicos, e clássicos precisam ser apreciados como tal. A múmia de Karloff ou o Drácula de Lugosi podem não ser páreo para o Arnold Voslo ou os vampiros de Crepúsculo e Split em termos de ação e visual, mas sem dúvida rendiam bem mais em termos de interpretação e no clima sombrio. Os novos Doutores são mais dinâmicos, jovens e sensuais, mas devem muito a seus antecessores, que sedimentaram o caminho para os fãs, da mesma forma que Capitão Kirk e Spock, com seus episódios baratos feitos nos estúdios Desilu abriram caminho para Piccard e companhia nas milionárias franquias de Star Trek.
    Meus parabéns pelos quase meio século de Doutor Who, e que venham outros quarenta e sete pelas frente!

    1. Concordo completamente contigo. Poucos conhecem os não-canônicos. Imagine então quantos poucos conhecem An Unearthly Child e Dr. No?

Deixe uma resposta

Fechar Menu