10 mães maravilhosas em Doctor Who

Nesse ‘Dia das Mães’, nada como comemorar com as maravilhosas mães do universo de Doctor Who.

Old Mother

An Unearthly Child (1963)

Quem é ela? “Old Mother” é uma anciã da Tribo Gum (100 mil anos antes de Cristo) e a primeira mãe a aparecer em Doctor Who! Ela acreditava que o fogo era algo divino e perigoso demais para ser possuído, e, por isso, tentava manter seu filho, Za, e sua tribo distante do elemento.

Uma mãe maravilhosa? Bem, nós devemos ser gratos a “Old Mother” por ir contra a vontade da tribo Gum e libertar o primeiro Doutor e seus companions em Cave of Skulls.

Sarah Jane Smith

The Time Warrior (1973) – The End of Time (2010)

Quem é ela? Após se despedir do Quarto Doutor, a destemida jornalista investigativa Sarah Jane continuou, de sua casa em Bannerman Road, a sua incansável defesa pela Terra. Ela teve reforço nesta missão após o crescimento da família Smith, ao adotar o filho, Luke, um garoto criado artificialmente pela tecnologia Bane, e a filha, Sky, pertencente à raça Fleshkind, como foi divulgado no spin-off de Doctor Who, The Sarah Jane Adventures.

Uma mãe maravilhosa? Talvez por ter ficado órfã muito nova, Sarah Jane possui um forte instinto maternal e protetor com as crianças que vivem em Bannerman Road. Nenhuma figura materna é tão inspiradora quanto Sarah Jane!

Audrey Dudman

The Curse of Fenric (1989)

Quem é ela? Audrey Dudman e sua fiha Ace sem dúvidas tiveram uma relação difícil. A opinião da companion do Sétimo Doutor era bem clara e direta sobre isso: “Meu nome é Ace, venho de uma família disfuncional e a minha forma de lidar com isso é explodindo as coisas.” A origem dos problemas da família Perivale permanece um mistério!

Uma mãe maravilhosa? Considerando a inexplicável hostilidade de Ace com Audrey, não é possível ter um veredito. Entretanto, podemos agradecer a sua mãe por desde cedo apresentá-la aos “timey-wimeyness”: quando Ace viaja ao passado e vai parar em uma base naval secreta em 1943, ela fica encantada com o bebê de uma jovem mãe que trabalha como rádio operadora. Só um tempo depois que Ace percebe que aquele bebê era a sua mãe!

Jackie Tyler

Rose (2005) – The End of Time (2010)

Quem é ela? Sendo mãe solteira, Jackie protege ferozmente sua única filha, Rose. Após Rose passar 12 meses fora com o Nono Doutor, ao invés das 12 horas planejadas inicialmente, Jackie imediatamente contesta se o Doutor é capaz de manter Rose em segurança.

Uma mãe maravilhosa? Sem dúvidas! Talvez o melhor exemplo de amor materno de Jackie foi quando ela correu na praia da Baía de Bad Wolf para consolar a filha que estava com o coração partido por ter se despedido para sempre do seu tão amado Doutor. Jackie a encheu de abraços.

Nancy

The Empty Child (2005) – The Doctor Dances (2005)

Quem é ela? Nancy era uma jovem adolescente vivendo em Londres durante a Blitz. Ela engravidou aos dezesseis anos. Para evitar o julgamento moral da época contra as mães solos, Nancy fingiu que seu filho era seu irmão mais novo. Ela assumiu a responsabilidade de ser “mãe” das crianças abandonas na rua, roubando comida de outras casas enquanto os donos se escondiam em abrigos antiaéreos.

Uma mãe maravilhosa? Sim. Quando ela contou para o assustador “Empty Child” que ela na verdade era sua mãe, os nanogenes alienígenas trouxeram seu filho morto Jamie de volta a vida. Este foi um bom exemplo da força que há no amor materno (e DNA).

Empress of the Racnoss

The Runaway Bride (2006)

Quem é ela? Os últimos membros da antiga raça chamada Racnoss vinda do Dark Times se escondem no centro de um novo planeta. Más notícias para nós: o planeta era a Terra. Depois de bilhões de anos hibernando nos confins do universo, a Imperatriz dos Racnoss retorna para acordar e convocar seus filhos aracnídeos.

Uma mãe maravilhosa? Não há dúvidas do amor da Imperatriz por seus “filhos”, como pode ser percebido pela dor que ela sente quando o Doutor os atinge com as águas do rio Tâmisa.

Sylvia Noble

The Runaway Bride (2006) – The End of Time (2010)

Quem é ela? A mãe viúva de Donna Noble teme que a filha esteja sem rumo e desperdiçando a vida em empregos sem futuro. Sylvia tenta convencer a filha a sossegar e ter uma vida tradicional, casando e tendo filhos e, assim, encontrando a felicidade. Mal sabia ela de todas as aventuras que sua filha viveria pelo universo viajando na TARDIS com o Décimo Doutor!

Uma mãe maravilhosa? No final, após Donna ter salvado o universo, mas retornado com suas memórias apagadas, Sylvia percebe o quanto sua filha é especial, tanto para ela quanto para o mundo.

Amy Pond

The Eleventh Hour (2010) – The Angels Take Manhattan (2012)

Quem é ela? A companion do Décimo Primeiro Doutor engravida enquanto viaja pelo vórtex do tempo na TARDIS. Sua bebê, chamada Melody, foi roubada ao nascer pela nefasta Madame Kovarian.

Uma mãe maravilhosa? De muitas formas, Amy Pond foi uma mãe ausente. É interessante pensar na mãe destemida que Amy poderia ter sido se sua filha não tivesse sido roubada. Quando a bebê cresceu e se tornou River Song, podemos observar a força dos genes maternos da Amy!

Grace O’Brien

The Woman Who Fell to Earth (2018) – It Takes You Away (2018)

Quem é ela? Grace foi avó de Ryan Sinclair, amigo da Décima Terceira Doutora . Ela passou a tomar conta do garoto quando ele tinha treze anos após sua mãe falecer e seu pai o abandonar. De todas as responsabilidades maternas, Grace teve uma paciência especial ao ensinar Ryan a andar de bicicleta. Ela incentivou Ryan a não desistir de aprender, apesar da dificuldade que ele apresentava devido ao seu problema de coordenação.

Uma mãe maravilhosa? Com certeza! A trágica morte de Grace gerou um forte impacto em Ryan. Ele dedicou a ela uma emocionante homenagem em seu canal no YouTube : “Eu quero falar sobre a maior mulher que já conheci. Inteligente, divertida, atenciosa. Especialmente digna.”

A mãe do/a Doutor/a?

Quem é ela? Quem sabe? O Oitavo Doutor afirmou uma vez ser metade humano “pelo lado da mãe”, ainda que nada em sua anatomia fundamente esse comentário. Seria a misteriosa Senhora do Tempo que, apareceu para Wilf Mott algumas vezes, a mãe do Doutor/a? Talvez nunca saibamos.

Uma mãe maravilhosa? Mesmo com sua identidade desconhecida, seu legado é conhecido. A Décima Terceira Doutora admitiu que sempre leva sua família com ela: “O que eles possam ter pensado, dito e feito. Eu fiz deles parte de quem eu sou”.

Fonte: doctorwho.tv

Nos acompanhe e curta nosso conteúdo!
error

Deixe uma resposta

Fechar Menu