10 mulheres inspiradoras de Doctor Who

Da produção à escrita, da maquiagem à música: as mulheres estão envolvidas em Doctor Who desde sua criação em 1963. Nesse artigo, compartilhamos dez mulheres inspiradoras que fizeram de Doctor Who o que é hoje.

Verity Lambert

Verity Lambert é, sem dúvida, a madrinha de Doctor Who. Nomeada a primeira produtora mulher da BBC aos 27 anos, o projeto que deu início à sua carreira foi uma nova série de ficção científica para a família – algum palpite? Doctor Who tem muito o que agradecer a Verity, incluindo a contratação do Doutor original, William Hartnell e a criação dos icônicos Daleks. O primeiro episódio da série, An Earthly Child (1963), teve um desempenho fraco, devido a apagões de energia em todo o país e milhões de pessoas que se interessaram mais pelo assassinato de John F. Kennedy. Foi Verity que insistiu para o episódio ser reprisado na semana seguinte, o qual foi visto por mais 1,6 milhões de telespectadores. Este instinto e motivação é provavelmente a razão pelo qual o programa que amamos ainda esteja em nossas telas.

June Hudson

A lendária estilista June Hudson é responsável por criar algumas das roupas mais originais de Doctor Who. Ela trabalhou em ambos os trajes de Romana, incluindo o vestido longo branco de Mary Tamm, em The Ribos Operation (1978), e o guarda-roupa eclético de Lalla Ward, que varia de roupas de banho eduardianas a casacos georgianos. Talvez seu trabalho mais marcante tenha sido a recriação da roupa do Quarto Doutor para a 18ª temporada em 1981. O esquema de cores em tom ameixa refletia a mudança de personalidade para sua última temporada, que embora ainda brincalhona, é nitidamente mais sombria. June trabalha até hoje – você pode ver seu trabalho mais recente em Johnny English Strikes Again de 2018.

June Hudson fez uma participação especial em Class, spin-off de Doctor Who.

Malorie Blackman

A autora Malorie Blackman tem rompido os limites da ficção para jovens adultos desde 1990. Navegando pelo mundo dos livros e da televisão, Malorie trabalhou com temáticas raciais ao longo de sua carreira. Em seu livro Jogo da Velha, ela cria um mundo distópico onde os preconceitos raciais entre brancos e negros são trocados. Na 11ª temporada de Doctor Who, seu episódio ‘Rosa’ relata a história de Rosa Parks e do movimento dos Direitos Civis integrados dentro da linha de tempo da série. Malorie e o showrunner Chris Chibnall receberam recentemente o prêmio Visionary Honors Award pelo episódio.

Julie Gardner

Perdendo apenas para Russell T. Davies em número de horas produzidas de Doctor Who, devemos grande parte de nosso agradecimento à Julie Gardner pelo renascimento da série. Depois de começar como Chefe do Departamento de Drama na BBC Wales, ela chamou Russell, com quem produziu Casanova, para trabalhar em Doctor Who. Depois que a série foi relançada, Julie foi também produtora executiva do spin-off de Doctor Who, Torchwood, e também foi produtora no dia-a-dia de muitos episódios de Doctor Who, incluindo a história final do Décimo Doutor, The End of Time (2010). Julie lançou desde então a Bad Wolf Productions. Sua mais recente produção – His Dark Materials, uma adaptação dos romances de Philip Pullman deve ser televisionada em 2019.

Russell T. Davies e Julie Gardner.

Delia Derbyshire

Muitas vezes referida como “a heroína desconhecida da música eletrônica britânica”, Delia fez parte da lendária BBC Radiophonic Workshop e é uma figura fundamental na criação da música tema Doctor Who. Assim como Verity Lambert, ela achou difícil ter acesso ao seu setor de trabalho, sendo informada que nenhuma mulher tinha permissão para trabalhar em estúdios de gravação. Depois de ingressar na Radiophonic Workshop, Delia fez os arranjos da composição original de Ron Grainer para a música tema de Doctor Who. Nenhum sintetizador foi usado, mas técnicas como “ruído branco filtrado” e o uso de um “wobbulator” criaram um gênero musical sombrio chamado haunting. Ela criou o som da TARDIS se materializando, ao retardar o som de teclas raspando contra as cordas graves de um piano. Ela continuou e criou os efeitos sonoros e música para mais de 200 programas de televisão e rádio.

Sonia Markham

Sonia foi a maquiadora da série entre 1964-1966 e cobriu boa parte da era do Primeiro Doutor. Começando como assistente de maquiagem de Jill Summers em The Sensorites (1964), Sonia logo se tornou a maquiadora principal em Rescue (1965). Seu incrível trabalho pode ser visto em episódios como: The Dalek Invasion of Earth (1964) e The Savages e The War Machines (1966). Contudo, provavelmente o trabalho mais famoso dela foi a inclusão da peruca no marcante visual do primeiro Doutor – necessária em cada história!

Hayley Nebauer

Hayley liderou o departamento de figurino da Décima Temporada de Doctor Who, além dos especiais de Natal de 2016 e 2017. Suas roupas incluíam uma ampla gama de designs históricos, contemporâneos e futurísticos ao longo dos episódios. E muitas peças eram customizadas por ela mesma. Ela foi a responsável pelo inesquecível visual de Bill com a jaqueta de brim e a camisa do Prince. Você percebeu as sutis referências de Doctor Who na jaqueta? Na próxima vez, preste atenção no ponto de interrogação e na imagem de robô costuradas nela.

Sarah Dollard

A escritora Sarah Dollard criou duas histórias para o Décimo Segundo Doutor nas temporadas 9 e 10. No seu primeiro trabalho na série, Face the Raven (2015), ela viu a saída da companion Clara Oswald e o início do final da nona temporada. Na história, o Doutor se despede com o coração partido pela morte de sua querida parceira de aventuras, Clara. Ela também escreveu o episódio Thin Ice (2017), da décima temporada, ambientado na grande geada de 1814, no qual Bill foi apresentada à história de seu planeta natal.

Rona Muro

Rona é a única pessoa a ter escrito tanto para a série clássica quanto para a nova. Ela escreveu Survival em 1989, o último episódio da série clássica, e retornou em 2017 com a história The Eaters of Light, quase 28 anos depois. Esta é a maior lacuna entre duas histórias escritas pelo mesmo autor na história de Doctor Who!

Jodie Whittaker

A atriz Jodie Whittaker fez história em sua estreia como a Décima Terceira Doutora no especial de Natal de Doctor Who em 2017, Twice Upon a Time. Ela é a primeira mulher a interpretar o papel principal da série. Sua primeira temporada vimos a Doutora e seus amigos Ryan, Graham e Yaz encontrarem aranhas gigantes, Rosa Parks, o rei James, plástico bolha assassino, uma perigosa e extremamente criatura chamada Pting, e muito mais. Acima de tudo, eles combateram o mal com os mantras de esperança e amor da Doutora. Nas palavras da Doutora: “Amor, em todas as suas formas, é a arma mais importante que existe. Porque o amor é uma forma de esperança. E, assim como a esperança, o amor resiste. Diante de qualquer coisa”.

Fonte: doctorwho.tv

Nos acompanhe e curta nosso conteúdo!
error

Deixe uma resposta

Fechar Menu