11 criaturas adoráveis e mortais de Doctor Who

Uma coisa que a Doutora aprendeu em suas viagens é que você não deve julgar algo pela aparência. Algumas das criaturas mais horripilantes do cosmos acabam se tornando aliados incríveis – e alguns dos mais adoráveis acabam se tornando um pesadelo!

Adipose

Partners in Crime (2008)

Quando as Indústrias Adipose disseram ter inventado uma pílula para emagrecimento que faria o excesso de gordura “sair andando”, parecia muito bom para ser verdade. Donna Noble, amiga do Doutor, certamente pensou que sim. Ela visitou Stacy Campbell – uma mulher que tomava as pílulas regularmente – e teve um resultado inesperado. Stacy foi ao banheiro, onde uma criaturinha amável surgiu de sua gordura. Nojento! As coisas logo pioraram, quando todo seu corpo foi transformado em vários bebês Adipose – que depois foram embora, deixando tudo o que restou da pobre Stacy: uma pilha de roupas no chão.

K-9

The Invisible Enemy (1977) – Warrior’s Gate (1981), School Reunion (2006)

Um dos melhores amigos da Doutora não é necessariamente uma pessoa – ele é um cachorro robô! O primeiro K-9 foi construído pelo Professor Marius num futuro distante quando ele foi impedido de levar seu cachorro de verdade ao espaço. O Professor turbinou o computador canino com super inteligência – e uma arma laser super poderosa no nariz! O Doutor, depois, construiu vários dessas criaturas caninas para si mesmo e para seus amigos. A versão mais recene do K-9 vive com Sarah Jane Smith, em Ealing, ajudando-a a lutar contra monstros e juntos protegem a Terra. Tudo isso numa base secreta que instalada no sótão.

Slitheen

Aliens of London/World War Three (2005), Boom Town (2005)

Não se deixe enganar pelos grande olhos tristonhos dos Slitheen – eles são uma família de bandidos espaciais que fariam qualquer coisa por dinheiro! O Doutor e a Rose Tyler os encontram dentro da casa número 10 da Downing Street, quando a família de criminosos mais notórios do planeta Raxacoracofallaparorius conseguiram espremer seus corpos grandes e verdes dentro de recipientes humanos – roubados de políticos que eles assassinaram – e assumiram o controle do governo. O plano? Começar uma guerra nuclear, para depois vender os restos para um lixão. Não tão adoráveis assim, não é?

O Yeti

The Abominable Snowmen (1967), The Web of Fear (1968)

O Doutor encontra esta criatura peluda pela primeira vez no Himalaia, onde eles eram servos de uma força chamada A Grande Inteligência. Eles podem parecer grandes ursinhos de pelúcia peludos, mas eram, na verdade, robôs mortais com olhos brilhantes assustadores. Vários deles apareceram em Londres e deram umas voltas de metrô. Apesar do instinto assassino, eles ainda conseguiram ser alguns dos passageiros mais educados.

Daughter of Mine

Human Nature/The Family of Blood (2007)

Lucy Cartwright foi uma garota que, em um dia de 1913, acabou encontrando um grupo de espantalhos trazidos à vida por uma família de criminosos que tentava roubar a força vital do Doutor. A filha dessa Family of Blood (Família de Sangue) ocupou o corpo de Lucy e começou a cometer assassinatos em série – deixando tudo mais assustador pelo falo de ela ainda levar o bolão vermelho que Lucy estava carregando quando foi capturada. O Doutor eventualmente a prendeu dentro de todos os espelhos que existem. Então, se você alguma vez algo vermelho no reflexo, pode ser ela!

Os Myrka

Warriors of the Deep (1984)

O Doutor e seus amigos Tegan e Turlough já estavam bem encrencados, presos nas profundezas do Sea Base 4 com vários Silurians e Sea Devils, quando os inimigos reptilianos trouxeram os Myrka para a briga! Essa besta verde gigante pode ter atrapalhado mais do que ajudado, mas era parte do charme. Se ele não estivesse tentando matar a todos, temos certeza que o Doutor não teria conseguido resistir aos seus grandes olhos brilhantes. Provável que o Doutor teria tentado até fazer carinho nas guelras. Tá, talvez ele teria sido eletrocutado pela carga interna do Myrka, mas ele teria o eletrocutado amavelmente.

Emojibots

Smile (2017)

Quando os humanos colonizaram Gliese 851, eles usaram enxames de pequenos robôs chamados Vardies para fazer o trabalho. Eles precisavam de uma interface alegre e amistosa para ajudar as pessoas a usá-los, e foi aí que os Emojibots entraram na história. Os Vardies foram construídos para deixar os humanos felizes a qualquer custo, mas os Emojibots levaram esta proposição a sério demais, matando todos que não estavam o tempo todo felizes. Quem os encontrasse e visse que a cara de emoji sorridente estava se transformando em raivosa, estava em apuros. O Doutor, com a ajuda de Bill Potts, burlou o destino das carinhas tristes e resetou os robôs para que eles voltassem a ser pacíficos.

A garota

Remembrance of the Daleks (1988)

Quando dois grupos de Daleks hostis estavam guerreando pelas ruas de Londres em 1963, um dos lados tinha uma aliada incomum – uma garotinha. Os Daleks Renegados, que lutavam contra os Dalek Imperiais para provar qual era a melhor facção Dalek de todas, planejavam implantar o computador de guerra em uma mente humana, e eles acreditavam que a imaginação e criatividade de uma criança era tudo o que precisavam para ganhar vantagem. Eles estavam completamente enganados e ambos os lados terminaram explodindo, mas, felizmente, isso libertou a garota que estava sob o controle dos Daleks.

Catkind

New Earth (2006)

A Nova Terra no ano 5 bilhão não é muito parecida com a Terra de agora, e nada faria isso mais óbvio do que ter um dos hospitais em Nova Nova Iorque controlado por gatos! Esses felinos, a Irmandade da Plenitude, eram do mesmo tamanho que humanos, e tinham, também, alguns hábitos humanos terríveis. Quando o Doutor e Rose visitaram o hospital, descobriram que as Irmãs estavam criando clones humanos e deliberadamente os infeccionando com doenças, para poder tratar dos pacientes. O Doutor acabou com a festa e os felinos foram presos pelos crimes cometidos.

Urak

Time and the Rani (1987)

As pessoas no planeta Lakertya não tinham paz. Já não bastasse serem escravizados pela Rani, uma Senhora do Tempo e cientista maligna, mas eles também tinham que lidar com os servos dela, os Teatraps. Esses morcegos gigantes com olhos nas costas eram bem malvados e feios. Mas o líder deles, Urak, era diferente quando sua mestre estava por perto. Agradável e generoso. Ele tinha um brilho no olhar e uma expressão apaixonada. Urak era totalmente devoto e faria qualquer coisa que ela pedisse – arrume um morcego que te olhe do mesmo jeito que Urak olhava para Rani. Sua lealdade foi gratificada quando Rani revelou que seus planos incluíam explodi-lo junto com todo o planeta, enquanto ela fugia com a TARDIS. O amor é cego, mesmo quando você tem uma visão de 360 graus.

Pting

The Tsuranga Conundrum (2018)

Se você estiver preso em uma nave médica no século 67, longe da sua TARDIS, a última coisa que você precisa é é cruzar com um Pting no corredor. Essas criaturas, aparentemente inocentes, não te comeriam por não serem carnívoros, mas dariam uma boa mordida em tudo que estivesse ao seu redor, deixando você flutuando no espaço. Na verdade, um único Pting consegue devorar uma frota inteira! Quando a Doutora, Graham, Yaz e Ryan se encontraram cara a cara com um Pting à bordo da Tsuranga, ele tentou até comer a chave de fenda sônica! A Doutora acabou fazendo a criatura engolir a matriz de anti-matéria da nave, que depois explodiu e impulsionou a criatura para o espaço. Mas eles conseguem sobreviver sem oxigênio, então, tudo bem.

Matéria original: doctorwho.tv

Nos acompanhe e curta nosso conteúdo!

Este post tem um comentário

  1. Tenho uma suave semelhança com os Pting’s afinal tenho uma fome insaciável, ainda trabalhando na parte não carnívoro.

Deixe uma resposta

Fechar Menu